IDH: Brasil é o 107º país em diferença de renda entre homens e mulheres

Brasil perde cinco posições no ranking mundial de IDH, apesar de uma leve melhora do índice

Marcha de Mulheres na Rua 13 de Maio, região central de São Paulo em 2017 — Foto: Lívia Machado/G1

Na média, as mulheres estudaram 0,5 ano a mais que os homens. No entanto, a renda que elas recebem é equivalente a 58% do que eles recebem.

Por G1

As mulheres brasileiras recebem o equivalente a 58% da renda dos homens, de acordo com dados do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) relativos a 2019, divulgados nesta terça-feira (15) pelo Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD). Isso deixa o país em 107º lugar no ranking mundial de disparidade de renda liderado pelo Burundi, onde as mulheres ganham 35,7% a mais que os homens, em média.

Brasil perde cinco posições no ranking mundial de IDH, apesar de uma leve melhora do índice

Países com menores disparidades de renda entre os gêneros

País Renda média das mulheres, em relação à renda dos homens, em % Posição no ranking

Burundi 135 1

Zambia 103 2

Timor-Leste 102 3

Liberia 97 4

Guinea 89 5

Fonte: IDH

A renda média das mulheres no Brasil é menor, apesar elas estudarem mais que os homens do país (veja abaixo).

Disparidade de renda no Brasil

País Renda média das mulheres, em relação à renda dos homens, em % Posição no ranking

Macedônia do Norte 58,4 105

Israel 58,37 106

Brasil 58,14 107

Guinea 58 108

Itália 58 109

Fonte: IDH

De acordo com os dados, as mulheres ganham menos em quase todos os países do mundo –as exceções são Burundi, Zâmbia e Timor-Leste.

A renda média em dólares ajustada pelo poder de compra no Brasil em 2019 foi a seguinte:

Homens: US$ 18.120;

Mulheres: US$ 7.585

A diferença de renda é parecida com a geral do mundo: em média, as mulheres recebem 56,57% da renda dos homens.

Mesmo nos países com altíssimo IDH, como a Noruega, há diferenças significativas de renda (as mulheres recebem 79% da renda dos homens).

O território de Hong Kong é o quarto do IDH, mas lá as mulheres recebem uma porcentagem ainda menor da renda dos homens (55,37%), apesar de ser um país muito mais rico que o Brasil (os homens ganham quase US$ 83 mil por ano).

Diferenças dos anos de estudo

Os brasileiros com mais de 25 anos estudaram, em média 8 anos. É menos que a média global, de 8,5 anos.

No entanto, aqui, as mulheres estudaram mais que os homens.

Mulheres: 8,2

Homens: 7,7

Há uma diferença de meio ano. O IDH prevê que a diferença de escolaridade entre os gêneros deve aumentar. Para o cálculo do estudo, separa-se a expectativa de anos de escola daqueles que ainda não terminaram os estudos. Entre esses, a previsão é que as mulheres fiquem 15,8 anos estudando, e os homens, 15,1.

Na média global, são os homens que estudaram mais que as mulheres:

Mulheres: 8,1

Homens: 9,2

O IDH prevê que aqueles que ainda estão na escola deverão estudar 12,7 anos –tanto homens como mulheres.

Países do Oriente Médio

Há 18 países onde as mulheres recebem menos de 30% da renda dos homens. A maioria deles (14) está no Oriente Médio ou no Magreb (norte da África).

Países com as piores desigualdades de renda entre os gêneros

País Renda média das mulheres, em relação à renda dos homens, em % Posição no ranking

Argélia 17,44 174

Paquistão 16,55361457 175

Síria 15,88072369 176

Iraque 12,79022251 177

Iêmen 6,242925618 178

Fonte: IDH

A Arábia Saudita está entre os países de altíssimo desenvolvimento humano. No entanto, lá as mulheres recebem 23% da renda dos homens.

https://g1.globo.com/mundo/noticia/2020/12/15/idh-brasil-e-o-107o-pais-em-diferenca-de-renda-entre-homens-e-mulheres.ghtml