Ministério da Agricultura tem plano para acompanhar nuvem de gafanhotos

A ministra da Agricultura, informou que o ministério montou um plano para acompanhar nuvem de gafanhotos que pode estar a caminho do Brasil.

Escrito por Estadão Conteúdo

A ministra Tereza Cristina diz que espera que a praga não chegue ao Brasil, mas que "já tem um grupo de acompanhamento e as ações que podem ser implementadas caso isso aconteça"

A ministra da Agricultura, Teresa Cristina, informou que o ministério montou um plano para acompanhar nuvem de gafanhotos que pode estar a caminho do Brasil. Na segunda-feira, dia 22, a autoridades do governo da Argentina informaram que uma nuvem de gafanhotos levantou voo na província de Corrientes e que pode atravessar a fronteira com o Rio Grande do Sul. As imagens dos insetos se espalharam pelas redes sociais. 

Em comunicado, o governo da província de Córdoba informou que, em um quilômetro quadrado de nuvem, pode haver cerca de 40 milhões de insetos, com capacidade de consumir em um dia o equivalente ao que duas mil vacas poderiam comer no mesmo período.

Pelo Twitter, Teresa Cristina disse que o governo já monitora a situação. "Montamos já um plano de monitoramento, para acompanhar o deslocamento desses gafanhotos. A gente espera que ele não chegue ao Brasil, mas todas as ações que podem ser tomadas, já tem um grupo de acompanhamento e as ações que podem ser implementadas caso isso aconteça", afirmou.

De acordo com a Senasa (Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentícia da Argentina), os insetos seguiram na direção sul e devem chegar à província de Entre Ríos.

Segundo as autoridades argentinas, a nuvem teve origem no Paraguai e vem atravessando o país desde a semana passada, apesar de já terem identificado um grupo de gafanhotos no final de maio. Nesse meio tempo, lavouras de milho foram totalmente destruídas pela praga.

https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/pais/ministerio-da-agricultura-tem-plano-para-acompanhar-nuvem-de-gafanhotos-1.2958985

Legenda: Nuvem de gafanhotos Foto: Senasa/Divulgação