Mandetta revela que havia "pessoas fardadas" na reunião da bula da cloroquina

"375 mil mortes teriam sido evitadas se tivéssemos melhor controle da pandemia".

247 - O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta revelou em entrevista ao site Poder 360 veiculada na manhã desta segunda-feira (14) que havia diversos militares ("pessoas fardadas") na famosa reunião do Planalto que discutiu a mudança na bula da cloroquina, para incluir na prescrição a recomendação para uso contra o novo coronavírus, apesar de o medicamento não ter comprovação científica para o tratamento de pessoas diagnosticadas com a Covid-19. O ex-titular da pasta era contra o uso do remédio, um dos motivos que o fez deixar a gestão. 

Ele mencionou a oncologista Nise Yamaguchi, a quem não conhecia, e informou sobre a presença militar: "Não conhecia essa médica… talvez se ela tivesse ido ao meu gabinete para se apresentar. Perguntei o nome dela e qual a formação. Tinha um outro médico do lado que eu nunca o vi antes e nem depois, esse aí nem guardei o nome […] E tinham mais pessoas lá [na reunião]… tinha o ministro Braga Netto, pessoas fardadas também". 

"Eu estava em uma reunião, me lembro bem até a data, dia 6 de abril, porque era o dia que eu seria exonerado, mas resolveram não me exonerar. Quando terminei, me pediram para subir no quarto andar. Eles já estavam lá e trabalhando nisso. Que médico chega com um decreto presidencial? Médico não tem formação para escrever minuta de decreto presidencial. E nesse papel que estava lá, entre outras coisas, estava que a Anvisa deveria concordar de colocar na bula porque não tem prescrição. Eu perguntei ao senhor Barra Torres  [presidente da Anvisa] se ele estava de acordo e ele foi veementemente contra. O ministro Jorge Oliveira estava ao meu lado, recolheu todos os papéis e disse que estava fora de contexto", acrescentou.

Em depoimento à CPI da Covid, na última sexta-feira (11), a microbiologista Natalia Pasternak destacou que "o conhecimento nacional e internacional de que cloroquina e ivermectina não funcionavam começou por volta de junho e julho de 2020". "Três de cada quatro mortes teriam sido evitadas se o Brasil estivesse na média de controle mundial da pandemia", acrescentou. "375 mil mortes teriam sido evitadas se tivéssemos melhor controle da pandemia".

https://www.brasil247.com/brasil/mandetta-revela-que-havia-pessoas-fardadas-na-reuniao-da-bula-da-cloroquina?amp=&utm_source=onesignal&utm_medium=notification&utm_campaign=push-notification