CSA vence Santa Cruz no Arruda e dorme no G-4 do grupo B do Nordestão

Terça-feira (23), o CSA recebe o Bahia no Rei Pelé e o Santa visita o Fortaleza no Castelão.

Santa Cruz x CSA (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)

Equipe alagoana ganha com dois de Dellatorre e seca ABC e Botafogo-PB para se manter no grupo dos classificados, enquanto Tricolor fica na lanterna e sem vitórias na competição

Resumão

O jogo foi no Arruda, no Recife, mas parecia que era em Alagoas. Superior, o CSA se impôs, abriu o placar no início e ampliou no segundo tempo, ambos com Dellatorre, e garantiu uma vitória tranquila sobre o Santa Cruz, que diminuiu com Chiquinho, de pênalti, no fim, mas não conseguiu empatar.

Classificação

Com a vitória, o CSA chega a seis pontos e sobe para a quarta posição do grupo B. Precisa secar ABC (contra o Treze na Paraíba) e Botafogo-PB (contra o CRB, em Maceió) para permanecer lá. Já o Santa é o lanterna do grupo A e tem a pior campanha do Nordestão: quatro derrotas em quatro partidas, um gol marcado e cinco sofridos.

Próximos jogos

Os dois times voltam a jogar na terça-feira, no mesmo horário (21h30). O CSA recebe o Bahia no Rei Pelé. O Santa visita o Fortaleza no Castelão.

Primeiro tempo

O CSA não demorou muito a abrir o placar. Antes dos cinco minutos, Augusto Potiguar entregou o ouro para Iury Castilho, que cruzou da esquerda para Dellatorre fuzilar de cabeça. O fato de ter saído na frente tão cedo facilitou as coisas para os alagoanos. O Santa tentou subir o ritmo nos minutos seguintes e conseguiu, é verdade, criar uma boa chance pouco depois, com Alan Cardoso. Mas, conforme o tempo passou, o duelo se assentou - e o Azulão cresceu de novo, criando boas chance com Castilho, Pimpão e Dellatorre, trio que incomodou os tricolores o tempo inteiro.

Segundo tempo

Na etapa final, o CSA ampliou. Aos sete, Dellatorre fez bela tabela com Pimpão e praticamente definiu a partida. Dali em diante, o Santa tentou ir adiante, mas esbarrou na flagrante limitação técnica do seu elenco. O time titular já mostrava muita dificuldade, que só aumentou quando foram acionados garotos da base, que acrescentaram pouco ao poderio do time. Os alagoanos administraram o resultado, ainda levaram mais perigo do que os tricolores, e asseguraram a vitória. No final, o time da casa ainda conseguiu, mais na vontade do que na técnica, diminuir com Chiquinho de pênalti.

Matador

O atacante Dellatorre foi o principal destaque do jogo. Principalmente pelos dois gols, mas não só por eles. Com presença de área e força no jogo aéreo, ele incomodou muito a defesa do Santa Cruz e ganhou a maioria das disputas com os zagueiros pernambucanos. Na temporada, o jogador tem sete gols em sete partidas.

Invicto

O CSA somou sua primeira vitória na competição, mas manteve a invencibilidade. É que, antes desse duelo, o time do técnico Mozart havia tido três empates na competição.

Sem vitórias

O Santa Cruz é o contrário. Enquanto o CSA não perdeu, o time do Santa não venceu. É a pior campanha da competição, com quatro derrotas em quatro jogados e um gol marcado.

Destaque solitário

O ponta Madson foi o único destaque individual do Santa Cruz. Não que tenha brilhado - mas o estreante, com lampejos, foi o único ponto positivo de um time que, de modo geral, teve uma noite para esquecer.

Sentiu

O lateral-direito Norberto, capitão do time, não ficou mais que 10 minutos em campo. Ele sentiu dores na coxa direita logo no início da partida e teve de ser substituído por Cristovam.

https://globoesporte.globo.com/pe/futebol/copa-do-nordeste/jogo/20-03-2021/santa-cruz-csa-al.ghtml