Setor hoteleiro tem situação crítica no CE; ocupação chega a 10%

Demissões em massa ainda não ocorrem, mas situação pode piorar até o fim desta semana

Hotéis começam a fechar as portas por não haver novos turistas chegando - Foto: Thiago Gadelha

Por Redação

Com estabelecimentos vazios e trabalhadores em férias coletivas, hotéis começam a fechar as portas. Demissões em massa ainda não ocorrem, mas situação pode piorar até o fim desta semana

A situação no setor hoteleiro no Ceará é cada dia mais crítica com a crise provocada pelo novo coronavírus. Com hotéis praticamente vazios e trabalhadores de férias coletivas, estabelecimentos começaram a fechar as portas temporariamente, tendo em vista uma ocupação média de 10% nos grandes empreendimentos e de cerca de 3% em hotéis e pousadas menores.

Segundo Ivana Bezerra, vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-CE), ainda não houve demissões como está ocorrendo em bares e restaurantes, mas a situação pode piorar até o fim desta semana. "Quem está hospedado, está somente em função da dificuldade de sair de Fortaleza. A tendência é a ocupação cair muito. Temos gente saindo e nenhum hóspede chegando", desabafa a empresária, que tem um hotel na Capital e que deve fechar as portas temporariamente até quarta-feira (25).

"A maioria dos estabelecimentos vai fechar também. Alguns nos disseram que vão continuar até onde não der mais. Este fechamento é provisório, é uma pausa. Até o momento, foram poucas demissões. Nós estamos optando em dar férias coletivas", diz.

Para Vera Lúcia, presidente da Associação dos Meios de Hospedagem e Turismo do Ceará (AMHT), que congrega hotéis e pousadas de pequeno porte, a preocupação maior é com a sobrevivência dos pequenos e médios empreendimentos.

"A situação está caótica. Tem hotéis que só vão ter hóspede até quarta-feira no máximo. Nesse momento, a ocupação está em 3%. Já tem hotel que está sem ninguém. Não falamos em demissão com ninguém por enquanto. Os associados estão pensando em férias coletivas", diz Vera Lúcia, acrescentando que apenas 50% dos hotéis e pousadas estão funcionando atualmente com hóspedes, mas a tendência é que os fechamentos provisórios ocorram nos próximos dias.

Demandas

A ABIH-CE já encaminhou na última semana demandas para o Governo do Estado e para a Prefeitura de Fortaleza. Nos documentos, a entidade pede aprovação de decreto para postergar o pagamento de impostos e taxas estaduais, como Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), e municipais, como o Imposto sobre Serviços (ISS) e sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU).

Além disso, a Abih pede carência de tributos que estão sendo parcelados e oriundos de acordos pregressos, suspensão de qualquer ação fiscalizatória para os órgãos do Estado e da Prefeitura, lançamento de Refis estadual com foco nas atividades do setor de turismo, campanha de publicidade com foco na promoção turística e dos eventos do Ceará e de Fortaleza para o mercado nacional e internacional na retomada das atividades e investimentos em 90 ou 120 dias.

Outra medida solicitada pela entidade é parecer favorável do Ministério Público, Procon e Decon em relação à contração de diárias de hospedagens e remarcação de viagens contratadas pelo consumidor, frente ao não cancelamento e devolução de valores.

"Os hotéis e as agências não possuem reservas financeiras hoje para realizar a devolução de valores, a solução seria a utilização do crédito das hospedagens pagas posteriormente e a remarcação das viagens, o que contribuirá para que os setores não entrem em colapso, na manutenção do negócio e sem prejudicar o consumidor", diz o documento.

Cariri

Na Região do Cariri, a situação no setor também é crítica. Segundo o secretário de Turismo e Romaria de Juazeiro do Norte, Júnior Feitosa, foi assinado, ontem, decreto proibindo o funcionamento de hotéis, pousadas, motéis e ranchos, além de agências bancárias e lotéricas na cidade.

"A orientação é que as pessoas fiquem em casa. Se a gente demorar e não for enérgico, as coisas vão demorar a passar. Não existe mais movimentação de turistas em Juazeiro do Norte, apenas pessoas e moradores em supermercados e farmácias", explica.

Segundo ele, os empresários do setor hoteleiro ainda não se pronunciaram sobre as medidas da Prefeitura. "Estamos esperando medidas por parte dos governos Federal e Estadual. O momento não é fácil, e o empresário está tentando manter a sua empresa. Ainda não temos medidas de socorro, mas estamos avaliando tudo isso. A princípio, o nosso foco são as vidas", reitera.

Com a quarentena imposta para reduzir a disseminação do coronavírus, grandes e pequenos hotéis sofrem com a falta de hóspedes no Estado. Estabelecimentos começam a fechar as portas

Grupo interrompeu a operação de hotéis em Aquiraz, no Cumbuco e em Fortaleza

Com uma ocupação cada vez menor por conta das medidas para enfrentar a pandemia do novo coronavírus em diversos países, alguns hotéis já começaram a fechar as portas temporariamente. É o caso, por exemplo, da Rede Carmel, que tem cinco estabelecimentos hoteleiros no Estado, incluindo resorts de luxo no litoral cearense.

De acordo com a empresa, a Desde de ontem (23) a operação de três hotéis da rede no Estado foi interrompida provisoriamente até o dia 30 de abril.

"A partir desta segunda-feira, interrompemos a operação dos hotéis Carmel Charme (Praia do Barro Preto), Carmel Cumbuco (Cumbuco) e Carmel Express (Praia de Iracema) até o dia 30 de abril. Carmel Taíba e Carmel Magna seguem operando de acordo com os mais rigorosos protocolos de higienização. As medidas foram tomadas baseadas nas orientações do Ministério da Saúde do Brasil e Secretaria de Saúde do Estado do Ceará e visam preservar a saúde de nossos colaboradores e hóspedes", informou a rede em nota à reportagem.

https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/negocios/setor-hoteleiro-tem-situacao-critica-no-ce-ocupacao-chega-a-10-1.2226095