Tudo sobre depressão pós-parto: o que é, sintomas e tratamento

Perceber a doença não é fácil, mas quanto antes isso acontece, melhor para se curar e aproveitar a nova etapa de vida.

Por Nathalia Giannetti

Mãe e bebê no colo (Reprodução/Getty Images)

O bebê chegou e com ele vem a maior alegria da vida, não é? Nem sempre! O problema é que muita mãe se cobra demais, acha que a tristeza e o misto de sentimentos estão relacionados apenas com o esgotamento provocado pela nova fase de vida e demora a perceber que pode estar com depressão pós-parto.

É estimado que cerca de 25% mães brasileiras apresentem sinais de depressão entre 6 e 18 meses após o parto, conforme constatou o estudo da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz.

Os sintomas da doença se aproximam bastante ao de um quadro de depressão comum, com tristeza e fadigas intensas e persistentes, humor instável, perda de interesse, distúrbios de sono e no apetite.

Mas será que não é só baby blues?

É preciso cuidado para distinguir! O baby blues tem os mesmos sintomas, mas é passageiro (é só uma questão de tempo para o corpo encontrar o equilíbrio dos hormônios) e não precisa de tratamento. Uma boa rede de apoio nessa fase ajuda a resolver a questão.

Conforme explica a ginecologista Beatrice Nóbrega, “baby blues ou blues puerperal é a alteração psiquiátrica mais comum após o parto, atingindo até 80% das mães”. Seus sintomas costumam aparecer nas duas primeiras semanas após o parto e são provocados pelo reequilíbrio hormonal, desaparecendo após o fim deste período.

Caso os sintomas persistam por mais tempo, fica o alerta de depressão pós-parto.

O que pode levar à depressão pós-parto

“Todas as doenças psiquiátricas precisam de uma combinação entre a predisposição genética e o ambiente onde se encontra o indivíduo. Na depressão pós-parto, isso não é diferente”, explica Antônio Geraldo da Silva, presidente da Associação Psiquiátrica da América Latina – APAL, diretor e superintendente técnico da Associação Brasileira de Psiquiatria.

Durante a gravidez e o puerpério, o corpo sofre uma série de alterações hormonais. Logo após o parto, por exemplo, há uma queda drástica do nível dos hormônios progesterona e estrogênio, algo que pode levar a problemas como insônia, irritabilidade e outros sinais característicos de depressão. A redução desses hormônios também é responsável por diminuir a ação da serotonina, neurotransmissor que regula o humor.

Além das mudanças no corpo, a maternidade causa alterações emocionais profundas, que podem dar início a crises de ansiedade e esgotamento. É comum que após o nascimento do bebê, a mãe passe por privação de sono, estresse ao lidar com as novas responsabilidades e se sinta pressionada, seja por ela mesma ou por outras pessoas, a desempenhar esse novo papel perfeitamente, sem cometer erros e precisar descansar.

“Quando a mulher tem um bebê, muda tudo, corpo, hormônios, prioridades e a vida em si. Mas a sociedade cobra uma felicidade absoluta, como se ela tivesse que estar feliz o tempo todo. Nem sempre as pessoas entendem que a mãe pode ter saudades de quando ela não tinha o bebê e conseguia dormir. E isso fica tão demarcado que a própria mulher, mesmo fazendo tudo que ela já faz para o filho, continua se cobrando mais, a ponto de se questionar se está sendo uma boa mãe”, conta Alberto Guimarães, ginecologista, obstetra e percursor do projeto Parto Sem Medo.

Fatores de risco

Todo mundo está sujeito a desenvolver depressão, mas existem vários fatores que tornam uma pessoa mais predisposta do que outra a desenvolver o transtorno. No caso da depressão pós-parto, situações como problemas psiquiátricos prévios, falta de apoio, dificuldades financeiras, gravidez não planejada e cesariana de emergência elevam as chances.

É importante lembrar que a atenção deve ser redobrada caso a mulher já tenha passado por uma depressão pós-parto anteriormente, pois as chances de repetição nas gestações seguintes são altas.

Autor: Silva Neto

Eu, José Gonçalves da Silva Neto – (Silva Neto), Naturalidade: Cedro-CE, filiação: Vicente Antônio da Silva e Severina Gonçalves da Conceição. Na década de 70, comerciário na Casa Ribeiro e Gilsons Magazine em Juazeiro do Norte, nesta mesma cidade fundador do Xv de Novembro Futebol Clube. Ex-diretor secretário da Liga Desportiva Juazeirense, na década de 70. Comerciário vendedor da antiga Cariri Rações em Juazeiro do Norte. Radialista autônomo, diretor e apresentador do Programa Alvorada Sertaneja - Rádio Cetama de Barbalha. Noticiarista diretor e apresentador do Jornal Cetama é Notícia - Rádio Cetama de Barbalha, membro da equipe esportiva da Rádio Cetama de Barbalha, membro do Programa Flagra pela Rádio Cetama de Barbalha conjuntamente com o radialista Maciel Silva (saudosa memória). Ex-diretor gerente da Rádio Comunitária Verdes Canaviais de Barbalha-CE. Diretor e apresentador do Jornal Verdes Canaviais. Diretor e apresentador do Programa Saúde em debate da Rádio Verdes Canaviais. Ex-diretor gerente da Rádio Aurora do Povo da cidade de Aurora-CE. Ex-secretário e presidente da Liga Desportiva Barbalhense (LDB). Ex-presidente da Associação dos Moradores do Bairro Alto da Alegria – Barbalha-CE. Por oito anos, funcionário recepcionista do Hospital Santo Antônio de Barbalha-CE. Funcionário Público Municipal da Assessoria de Imprensa da Administração do ex-prefeito de Barbalha, Francisco Rommel Feijó de Sá. Funcionário Público Municipal como assessor de imprensa da Prefeitura Municipal de Barbalha, gestão do ex-prefeito Antônio Inaldo de Sá Barreto, membro da assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal de Barbalha, do ex-prefeito Edmundo de Sá Filho. Prestador de Serviços na divulgação das ações da Câmara Municipal de Barbalha desde o início dos anos 90. Correspondente do Jornal Tribuna Popular de Juazeiro do Norte. Correspondente do Jornal da Tarde da Rádio Padre Cícero em Juazeiro do Norte. Diretor, redator e apresentador do Jornal Alvorada Notícias FM 96,7, desde o dia 02 de janeiro de 2014. Membro da equipe esportiva Show de Bola da Rádio Barbalha FM. Sócio do Rotary Clube de Barbalha – Distrito 4490. Membro sócio do Círculo Operário de Barbalha. Fundador e diretor do site www.diariodocariri.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: